Ficar sem trabalho é um momento quase sempre muito incômodo para todos nós.  Este período estacionado na carreira é um grande temor para a maioria dos  profissionais, e com razão – segundo uma pesquisa realizada pelas Universidades  da Califórnia e de Nova Iorque, os recrutadores fazem associações negativas com  candidatos desempregados, preferindo os que estão trabalhando.

O cenário no Brasil é favorável: de acordo com o Índice  Catho-Fipe, a Taxa de Desemprego de abril de 2013 foi de 5,5%, a menor  para o mês desde o início da série histórica. Por outro lado, o Índice  Catho-Fipe de Vagas por Candidato (IVC) mostrou uma relação de 0,90 vagas por  candidato em abril. Isso significa que para cada dez novos candidatos houve nove  novas vagas anunciadas.

Com a queda da taxa de desemprego, para quem é qualificado no mercado a  chance de ficar sem trabalho durante muito tempo é baixa. Desempregado, é  essencial que o indivíduo invista em educação (cursos online gratuitos é uma boa  opção), elaborando um currículo cada vez mais atraente para divulgação.

“Uma dica básica para quem está sem trabalho é que se mantenha em atividade,  seja com trabalhos freelancer, realizando cursos a distância ou  executando trabalhos voluntários, onde o profissional pode executar atividades  que acrescentem às suas competências”, recomenda Eduardo Ferraz,  consultor em gestão de pessoas.

Internet como aliada

Utilizar a internet quando se está desempregado é o mesmo caso de trabalhar  em casa, o chamado home office. A disciplina e o foco são questões  fundamentais, e aconselha-se criar uma rotina e reservar um período fixo para a  busca de uma nova oportunidade na web. Opções hoje não faltam, como os sites de  recrutamento como a Catho, área Trabalhe Conosco dos sites das empresas, além de  utilizar as mídias sociais como maneira de estreitar a rede de contatos.

De acordo com Ferraz, com a dinâmica atual do mercado, entrar por uma fase de  transição na carreira pode ser considerado normal. “Nestes momentos, não há  porque se desesperar ou entrar em alguma onda de depressão. O  networking nesta situação é muito importante, principalmente com os  colegas mais próximos e que saibam da situação real que o profissional está  passando”, explica.

É importante contatar ex-colegas de trabalho, informando que está a procura  de um novo emprego e pedindo indicações. Além disso, é interessante participar  de feiras e eventos voltados para a área de atuação do profissional. Tais  eventos são excelentes oportunidades para conhecer outros profissionais e pegar  seus contatos, aumentando as chances de ser indicado para uma vaga de  emprego.

Acomodar, jamais. A pior atitude do profissional durante o desemprego é  relaxar e esperar que as empresas o procurem, sem manter uma postura ativa na  busca pelo emprego. Este é o momento em que o profissional deve se dedicar ao  máximo, investindo ao menos 4 horas de seu dia em sua recolocação. Desta forma,  seu tempo de desemprego será bem menor em relação à concorrência.

http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/noticias/estou-desempregado-e-agora

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.